quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Ranking de renda passiva - Janeiro/2017

Olá amigos, com um pouco de atraso mas finalmente resolvi divulgar o ranking referente à Janeiro. Acabei demorando pra divulgar o ranking devido a falta de tempo e principalmente por esperar pra ver se alguns membros atualizavam o ranking, mas acabei por excluí-los já que não atualizaram.

O amigo HEAVY metal se quiser atualizar posteriormente, será bem vindo novamente ao ranking, e os outros também. De qualquer forma, é provável que apenas 1 ou 2 meses da renda do HM já o coloquem na liderança mesmo. Nem fará diferença. haha

Vamos ao ranking:


 
Como podem ver, tivemos a inclusão de um novo participante, o 'INVESTINDO EM CASAL'. Seja bem vindo e boa sorte! Tivemos a exclusão do Heavy Metal, Acumular Ativos e Mulher investidora devido ao descumprimento das atualizações. Deixo claro que se eles voltarem a atualizar a renda passiva, posso colocá-los novamente no ranking.

Como podemos ver, temos agora o Santo Poupador na liderança do ranking, e o Piloto investidor ultrapassou quase todo mundo em comparação com a renda do ano passado... Mestre dos dividendos também me deixou pra trás.

Viver de FII também acelerou e disparou nessa corrida, e o ADP infelizmente por conta da falta de pagamento de dividendos das ações, acabou ficando na nona posição. A disputa da parte de baixo da tabela está acirrada, com o Marujo Investidor pouco à frente de Micro Investidor e do nosso estreante Investindo em Casal.

Minha renda passiva neste mês e no mês de fevereiro acabou sendo afetada negativamente por menores distribuições dos fiis e NENHUMA distribuição de dividendos de ações. Espero que o cenário melhore.

E vamos que vamos, rumo à IF! Obrigado pela participação de todos! Não se esqueçam de atualizarem suas rendas passivas acumuladas no ano no inicio de Março (referente a renda acumulada até final de fevereiro). Abraços!


terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Renda passiva de Janeiro/17

Primeiro mês de 2017 acabou e mais um fechamento mensal de renda passiva a ser feito...

Não estou postando mais com muita frequencia pois ando sem tempo, e infelizmente não consegui fazer os Resumos dos Relatórios dos FIIs. Mês que vem vou tentar fazer novamente quando os gestores liberarem.

Eu meio cabisbaixo vendo os anuncios dos FIIs hoje


Mas vamos ao que interessa, os números de Janeiro de 2017:

A renda passiva obtida em Janeiro de 2017 ficou em R$ 876,29, representando um aumento de cerca de 59% sobre o mesmo valor obtido em Janeiro de 2016. Fantástico! Mas isso se deve basicamente ao fato de em Dezembro de 2015 eu ter liquidado algumas posições em FIIs devido à questão da tributação, portanto a renda recebida em Janeiro de 2016 foi comprometida... De qualquer forma, ocorreu sim um bom aumento.

A renda passiva parcial acumulada em 2017 é óbviamente também de R$ 876,29. Infelizmente a renda de fevereiro deverá ser bem fraca, pois não está previsto nenhum pagamento de dividendos de ações para este mês (ao contrário de fevereiro de 2016) e os FIIs anunciaram uma renda baixa no geral, vários fiis anunciaram renda bem menor e isso deve impactar minha renda de fevereiro.

De qualquer forma, continuo na meta de aumentar a renda passiva esse ano em pelo menos o dobro da inflação. Será que conseguirei? Não sei. Mas vamos tentando...

Ah, e vão divulgando a renda de Janeiro de 2017 e a nova renda parcial 2017, pois daqui uns dias devo divulgar o ranking de renda passiva referente a Janeiro. Vejo vocês lá!

Abraços!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

FECHAMENTO: Ranking Renda Passiva 2016

Olá amigos, demorei mas finalmente estou divulgando o ranking com a renda acumulada até Dezembro de 2016, e portanto, a renda total de 2016 e o fechamento deste ano. A partir de deste mês as divulgações de renda passiva serão "zeradas" e acumularão os valores de 2017 APENAS, não acumulando com os de 2016.

Portanto, ao estarem divulgando suas rendas passivas deste ano para o ranking, "zerem" o cronômetro e divulguem a renda de Janeiro/2017 e a acumulada de 2017 (que é a de janeiro).

Demorei também para divulgar o ranking devido a demora de alguns participantes em atualizar sua renda, caso da Mulher Investidora e Acumular ativos, o AA nem atualizou, portanto deixei a mesma, caso ele não volte a atualizar, será excluído do Ranking. A mulher investidora me informou por mensagem sua renda, a qual estarei divulgando.

Este mês também tivemos a adesão de novos participantes, que são eles Holding Scott, Ryca e Marujo Investidor, sejam bem vindos e muito sucesso nessa caminhada que estamos todos juntos! :)

Vamos ao ranking:




COMENTÁRIOS


HEAVY METAL segue isolado na liderança, com uma renda absurda de R$ 442.113,00 no ano de 2016. Esta renda equivale a uma renda média mensal de R$ 36.842,00. Fantástico!

Santo Poupador vem com folga na segunda posição, com uma renda acumulada de R$ 87K. Belíssima renda. A disputa pela terceira, quarta e quinta posição está acirrada, liderada pela mulher investidora na terceira posição, VdC e Scott vem logo atrás, não tão longe, essa briga promete em 2017.



Na sexta posição bem atrás do Scott, vem eu, com R$ 11.173. Na minha cola já está Mestre dos dividendos que vem acelerando com R$ 10344. Muito perto dele, pegando o vácuo vem o ADP, que segue muito próximo dele, essa briga tá ótima!

Na nona posição, já de olho na ADP mas ainda um pouco longe, vem o Beto Fiscal que teve um bom avanço e foi para quase R$8K de renda no ano...

Depois de uma grande lacuna na pista, vem o Piloto Investidor, que deu um belo salto e ultrapassou o amigo Viver de FII. Piloto que estava com uma renda acumulada até Novembro de R$ 957, saltou para R$ 2.204, foi uma enorme evolução. Piloto promete ganhar muitas posições em 2017.

Na décima primeira posição vem Micro Investidor nerd, que também teve um avanço fantástico e ultrapassou Viver de FII. Indo para R$ 1500,00. Viver de FII por sua vez está grudado nele, tentando dar o troco e vem com R$ 1.482,00 na 12ª posição.

Pobre Sonhador perdeu algumas posições e foi para décimo terceiro, com R$ 934. Lá atrás dele, vem nosso estreante Marujo Investidor. Na 15ª vem o Acumular Ativos, que não atualizou sua renda este mês, por isso perdeu posições. Esperamos que ele volte atualizar este mês, para não ser excluído do ranking...



Na parte mais de baixo da tabela, em 16º vem o Micro Investidor que teve um belo salto de renda na faixa de R$ 130 para R$ 196, mas não o impediu de perder posições. Micro já enxerga o Marujo à sua frente, será que conseguirá colar nele?


E nas duas últimas posições (mas não menos honrosas) vem Steynd B em 17º  e Ryca em 18º na lanterna, ambos com R$ 34,00 e R$ 25,00 no ano de 2016. Essa batalha das últimas posições promete. Ryca disse que virá com tudo em 2017, vamos acompanhar. Steynd B também está aos poucos evoluindo sua renda, o 2017 deve ser emocionante.

Portanto é isso, parabéns e obrigado a participação de todos! Lá pelo dia 10 do próximo mês eu divulgo a renda de 2017, com os números de Janeiro, não se esqueçam de atualizar. Abraços!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

FECHAMENTO 2016: RENDA PASSIVA ACUMULADA

E mais um ano chega ao seu fim, o tempo passa muito rapido, e lá to eu aqui de novo para atualizar a renda passiva do ano, dessa vez, o fechamento de renda passiva de 2016.



A renda passiva total fechou o ano em R$ 11.173,91, sendo portanto um recorde atingido, nunca antes minha renda passiva havia chegado nestes patamares. Estes valores representam um avanço de quase 37% sobre os R$ 8.180 atingidos em 2015. A inflação do período ficou em torno de 7%, portanto minha renda cresceu MUITO acima da inflação, porém isso não deve se repetir nos próximos anos, devido a forte base de comparação e menor representatividade de aportes.

A renda passiva de 2016 representou uma renda média mensal de R$ 931,15, sendo portanto também um recorde. A renda passiva média mensal de 2015 estava em R$ 681,74, e a de 2014 em R$ 418. Portanto nos últimos 2 anos a renda mais que dobrou, resultado sensacional, fruto principalmente de realocações na carteira (focando mais em ativos geradores de renda) e reinvestimentos de dividendos com aportes.

Pretendo em 2017 conseguir aportar mais (2016 foi quase nulo em aportes) e continuar reinvestindo todos os dividendos, procurando e focando ativos geradores de renda com Yields mais elevados, mas sem abrir mão da qualidade e do conhecimento do business. Vamos seguindo, a caminhada é longa...

Espero que 2017 seja um ótimo ano para todos vocês que me lêem neste momento, repleto de saúde, realizações, fé e sucesso nos investimentos. Desejo um feliz ano novo a todos vocês! Abraços e rumo à IF!




domingo, 11 de dezembro de 2016

Resumo dos relatórios dos FIIs (05/12 à 09/12)

Hoje estarei postando mais uma vez como prometido, para resumir de forma clara e simples alguns relatórios divulgados de FIIs nessa última semana que acompanho com frequencia. A intenção aqui é resumir de forma simplificada os dados expostos nos relatórios, que muitas pessoas podem não entender ou podem sequer encontrar os relatórios, e dessa forma trazer as novidades destes fiis.

Espero que gostem.


XPGA11 (XP RECEBIVEIS FII)

O destaque vai para a mudança dos relatórios, todos os relatórios da XP foram modificados, tornaram-se mais bonitos e passaram a agregar mais informações. O lado negativo é que retiraram os gráficos comparando resultado contábil x resultado caixa que era de grande valor ao cotista para estimar a renda acruada do ativo.

O gestor anunciou que executou no mês a compra do CRI Saneatins a uma taxa de CDI + 1,10% a.a e a idéia de investimento partiu por conta de fato relevante da empresa Odebrecht Ambiental demonstrando interesse em recomprar a totalidade dos CRIs pela companhia que securitizou os papéis, dessa forma o fundo deve obter uma rentabilidade interessante a curto prazo.

Também divulgaram que as conversas com interessados em adquirir o Ed. Oceanic do CRI Harte evoluiram e esperam ter uma proposta formalizada em breve. Caso a venda ocorra, o fundo deverá ser imediatamente beneficiado, registrando um grande efeito caixa que impactará os rendimentos ao longo do semestre em questão. Vamos aguardar.

Este mês o fundo distribuiu R$ 0,98 sendo que seu resultado no mês foi de R$ 0,93, portanto um pouco acima do seu resultado real, no entanto o fundo já contava com um resultado acumulado no semestre de cerca de R$ 0,25, e agora esse acumulado ficou em torno de R$ 0,20. Acredito que a próxima distribuição deve chegar próximo a R$ 1,05-1,10.


MXRF11 (MAXI RENDA FII)

O fundo distribuiu no mês R$ 0,80 por cota, que ficou um pouco abaixo dos R$ 0,825 que foi o resultado real do fundo no mês. Como o gestor realizou algumas vendas de fiis nos últimos meses no prejuízo, isso impactou o resultado contábil do fundo e por conta disso é provável que mesmo gerando mais caixa do que vem distribuindo, o fundo continue neste patamar de distribuições. Outro ponto é que o fundo aumentou consideravelmente a sua posição em caixa e RF, o que já está impactando também no resultado caixa do fundo e deve continuar pressionando, por isso acredito que o gestor optará por conservadorismo e manterá a distribuição em R$ 0,80.

O gestor informou ter adquirido R$9,51M em um CRI da Saneatins, o mesmo adquirido pelo XPGA, a estratégia é a mesma, buscar rentabilidade alta em curto prazo. Impressiona aqui o valor investido, que ficou bem acima do aportado pelo XPGA, isso deve-se a grande disponibilidade de caixa do fundo.

O CRI harte assim como dito acima no XPGA, deve impactar positivamente o MXRF caso a venda seja concretizada.

O fundo terminou o mês com a seguinte alocação: 32% em FIIs, 31% em CRIs, 27% em RF, 10% em partipação na SPE. Lembrando que a SPE deve começar a pagar dividendos ao fundo no final do primeiro ou segundo semestre de 2017, este resultado impactará de maneira significativa a rentabilidade do fundo no ano que vem.


AEFI11 (AESAPAR FII)

O gestor continua em negociação sobre a substituição dos ativos e estudando os impactos da fusão Kroton e Estacio. O destaque aqui fica pela reavaliação patrimônial, que desvalorizou o patrimônio do fundo em 18,30%, agora em R$ 131/cota.

O fundo encerrou o mês com um resultado acumulado e não distribuído de aproximadamente R$ 0,34/cota. A próxima distribuição já deverá ser maior a não ser que o gestor opte por não distribuir essa gordura e manter nos 5% de reserva.


XPCM11 (XP CORPORATE MACAÉ)

O fundo teve neste mês a sua receita na parte atípica reajustada, o que impactou a distribuição em cerca de R$ 0,03.

O fundo distribuiu no mês bem menos do que teve de lucro líquido, distribuindo R$ 0,78 para um lucro de R$ 0,87, dessa forma ficou com cerca de R$ 0,11 no semestre acumulado para possível distribuição no próximo mês.

O imóvel continua com ocupação de 1900 funcionários.


RNGO11 (RIO NEGRO FII)

O gestor anunciou que concluiu a locação do conjunto 111 do Ed. Padauri com a empresa GFT Brasil, pelo prazo de 5 anos. Essa locação reduziu a vacância para 14,10%.

Há ainda algumas vacâncias a serem efetivadas até o final de Janeiro, o que deve elevar a vacância do fundo para cerca de 17,50%. Assim, acredito que as distribuições acabem sofrendo uma pequena queda.


SDIL11 (SDI LOGÍSTICA)

A penúltima  parcela referente a multa da BRF de R$ 0,14/cota foi paga pela BRF ao fundo. O fundo também não pagou os R$ 0,03 cota relativa a obra de expansão da estação de esgoto, pois as obras não foram concluídas. Dessa forma, após estes eventos passarem, a renda do fundo deverá estabilizar próxima a R$ 0,50-0,52. Lembrando que em Março o fundo tem reajuste dos contratos com a BRF, o que deve elevar as distribuições um pouco.




RBGS11 (RB Sulacap)

Após o fim da RMG o fundo RBGS está pagando seus rendimentos referentes a sua participação no empreendimento. Este mês de Novembro o resultado foi de R$ 0,15 e o fundo distribuiu R$ 0,15. No valor atual da cota a R$ 34,00 o fundo deve ter um Yield anual em torno de 6%.


HGBS11 (HG Brasil Shopping) 

O fundo teve um resultado no mês de R$ 10,34/cota e distribuiu R$ 13,80. Essa distribuição foi possível por conta de lucros acumulados. De qualquer forma, no ano de 2016 o fundo distribuiu 2,2M acima do seu resultado real, é possível que continuando desta forma, os rendimentos em 2017 acabem por sofrer alguma queda. Teremos de ver até quando os lucros acumulados sustentam esta renda...

Lembrando também da questão do CRI Goiabeiras que deve impactar futuramente o fluxo de caixa do fundo.


FIIB11 (FII Industrial Brasil)

O fundo anunciou dois novos contratos de locação de cerca de 2 Mil m², o que deve reduzir a vacância em cerca de 2%. Lembrando que ainda há vacâncias a serem efetivadas nos próximos meses, e só a partir de Fevereiro de 2017 poderemos ter uma real idéia do novo patamar de distribuição.

Porém com essas novas locações, é possível que o fundo continue com distribuições médias de R$ 2,30-2,40 mesmo após as vacâncias.

 Nos valores atuais daria um Yield de cerca de 9,50% a.a. o que para um fundo deste porte e desta qualidade, considero interessante.


FIGS11 (General Shopping Ativo e Renda)

O fundo reportou um resultado real de cerca de R$ 0,24 centavos no mês e portanto abaixo dos resultados dos últimos meses. A média de resultado real estava em R$ 0,28.

Com o fato relevante divulgado pelo fundo sobre um interessado em adquirir o direito de uso dos estacionamentos dos shoppings, o assunto será levado em assembléia e decidido pelos cotistas. Caso essa venda seja aprovada, estimo que o fundo será penalizado, já que boa parte desses lucros serão absorvidos pela RMG, e muito pouco excederá a RMG, e a partir de 2019 o fundo quando passa a distribuir seus resultados reais, não teria mais a receita de estacionamento.

Estimo que o impacto com a perda do estacionamento hoje seja em torno de R$ 0,10/mês cota. Espero que votem contra isso, pois será muito nocivo aos cotistas... Vamos ver como ficará essa situação.



Bom, por hora é isso. Conforme lancem mais relatórios e FR's volto a divulgar os resumos e comentários. Abraços 








terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Ranking de Renda Passiva - Nov/2016

Chegou a hora de divulgar o ranking de renda passiva com os rendimentos acumulados até o mês de Novembro. Infelizmente o participante HEAVY METAL ainda não atualizou e eu divulgarei assim mesmo, porém depois quando ele atualizar sua renda, eu atualizo aqui o rendimento dele, de qualquer forma a posição dele permanece a mesma, já que ele é nosso líder DISPARADO.

Tivemos também a adesão ao ranking de 4 participantes: O Santo poupador, Piloto Investidor, Acumular Ativos e o Além da Poupança (ADP), portanto agora nosso ranking totalizou 15 participantes :)

Vamos aos números:



Comentários

Na liderança isolada segue o nosso companheiro HEAVY METAL, que segue disparado na liderança a 400km/h, e olha que eu nem atualizei a renda dele, pois ele não divulgou ainda. (Devo atualizar assim que ele divulgar). A renda média mensal do Heavy metal está em nada menos que R$ 26.265,00. Absurdo!

Na segunda posição o mais novo membro do ranking, o Santo Poupador, com uma belíssima renda acumulada de R$ 80.955,06.

Em terceiro dando um salto de mais de R$ 9.000,00 em relação ao mês anterior, Mulher Investidora, agora com uma renda de R$ 53.911,03 acumulada no ano, abrindo uma boa vantagem sobre o VDC. VDC vem logo atrás com R$ 49.946,58, dando também um salto legal em relação ao mês passado.

Na quinta posição muito atrás do VdC, vem eu, com R$ 10.186,14. A renda recorde que obtive no mês de Novembro me ajudou a passar da barreira dos R$ 10.000,00 :)

Na sexta posição vem o Mestre de Dividendos com belos R$ 9.271 acumulados, Mestre está acelerando com tudo para me passar, pegando o vácuo, mas logo atrás dele, COLADO vem o Além da Poupança com uma renda acumulada de R$ 9.158,00. Incrível que o ADP neste mês teve uma evolução extraordinaria na renda passiva por conta de um dividendo super alto do Paraná Banco, Mestre que se cuide, pois ADP está acelerando com tudo, pegando o vácuo pronto pra ultrapassar.

Em oitavo um pouco atrás do ADP vem o Beto Fiscal, que corrigiu seus valores e deu um belo salto, chegando a uma renda acumulada de R$6980.

Depois bem atrás, na nona colocação, vem o gaúcho, o Viver de FII, com R$ 1.276,50. Será que ele bate a meta de R$ 1500,00 no ano?

Em décimo vem o mais novo participante do ranking, Piloto Investidor, acelerando sua máquina com tudo e pretende ultrapassar muitos que estão a sua frente. Será que conseguirá? A corrida promete.



Pobre sonhador vem em 11º lugar com R$ 869,04 tendo feito portanto uma belíssima ultrapassagem no Micro Nerd. Micro Investidor Nerd que acabou de perder sua posição não ficou muito pra trás não, e vem com R$ 840,53 de renda passiva acumulada até 30/11/2016. Disputa acirrada essa, será que o Micro Nerd pega de volta sua posição?

Depois de uma grande lacuna na pista, vem o estreante Acumulador de Ativos com uma renda passiva acumulada de R$ 357,92. Não tão distante dele vem o nosso guerreiro Micro investidor, que conseguiu uma evolução de mais de R$ 50,00 na renda passiva, e atingiu uma renda total de R$ 133,41.Vai ter uma briga boa aqui entre AA e MI, quem será que leva a melhor?

Por fim, na última colocação, na lanterninha, vem o Steynd B com R$ 25,74 acumulado. O importante aqui é estar sempre evoluindo, e a renda do Steynd B também evoluiu. Nessa corrida todos são vencedores e estar participando é o que importa!


Bom, obrigado a todos os amigos participantes, e convido novamente aos leitores que ainda não entraram no ranking a divulgarem sua renda passiva acumulada até o final do ano, para entrarem no ranking do mês que vem. Todos aqui são bem vindos, não importa o tamanho da renda.

Abraços!

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Renda passiva de Novembro + Acumulado 2016

Dia 30/11 e chegou a hora de atualizar a renda recebida em Novembro e a renda acumulada em 2016. Hoje o FIP XP Omega pagou seus dividendos de R$ 7,75/cota o que ajudou bastante minha renda acumulada no ano, e ontem também o Banco do Brasil pagou cerca de R$ 0,09/ação líquido, o que também ajudou um pouco.

Maior parte dos rendimentos do mês vieram dos FIIs


Com esses pagamentos, mais os pagamentos dos FIIs ali pelo dia 16 deste mês e alguns que pagaram um pouco antes, a renda total de Novembro foi de R$ 1.449,27, sendo portanto um recorde, a maior renda passiva recebida em um mês até hoje na minha carteira, totalizando uma renda acumulada em 2016 até a data de hoje de R$ 10.186,14, sendo também um recorde de renda passiva recebida em um ano.

O valor por si só representa um aumento de cerca de 24,50% sobre toda a renda de 2015, e ainda temos mais o mês de Dezembro pra engordar esse saldo. O resultado já supera com folga todo o resultado de 2015 e deve melhorar ainda mais!

A propósito, lembrem-se de atualizar agora hoje ou nos próximos dias a renda TOTAL ACUMULADA DE 2016 ATÉ A DATA DE 30/11/2016, para eu poder atualizar o ranking deste mês.

Abraços e RUMO A IF!!

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Queda na Selic? E agora, onde invisto?

Cenário de Selic em queda, economistas já estimam um corte de 0,50% na próxima semana, levando dessa forma a Selic para 13,50% a.a e o CDI para menos de 13,40%. A taxa ainda é alta, mas já começa a prejudicar a rentabilidade dos investimentos indexados ao CDI. Os economistas estimam que a SELIC irá continuar caindo, e o boletim Focus já projeta uma Selic de 10,75% ao final de 2017.

E agora? Como investir num cenário desses? Adeus independência financeira?

De fato fica bem mais complicado encontrar investimentos bastante rentáveis e com risco baixo com uma Selic menor, e é nessa hora que o investidor terá de abrir mão da pseudo-segurança do CDB, LCI, LCA e e começar a olhar para investimentos ditos mais arrojados, detalhe é que não é porquê o investimento não tem proteção do FGC que ele é muito mais arriscado assim.

Mas quais as opções de investimentos ficam boas para uma Selic de 10,75% afinal?



Tomando como base minha estratégia e minha visão, irei listar os investimentos que considero mais atraentes para um cenário de queda nos juros. Lembrando que isso não é recomendação de compra ou de investimento, sendo apenas uma opinião com caráter informativo e baseado na MINHA ESTRATÉGIA.

- AÇÕES: Ações de boas empresas continuarão sendo uma ótima opção, na verdade até podem ter um upside maior com o corte na Selic, já que com juros menores os investidores naturalmente começam a migrar da RF para a renda variável, gerando elevações nas cotações. Um ponto interessante é que com Selic menor o endividamento das companhias acaba diminuindo naturalmente, impactando no resultado financeiro e portanto gerando melhores resultados. O investidor estrangeiro também passa a olhar mais para a renda variável. Hoje temos algumas opções de empresas boas pagadoras de dividendos com Dividend Yield que variam de 6 a 15%. Lembre-se sempre de não tomar sua decisão baseada apenas em um único indicador, o ideal é você entender bem o business da empresa e se sentir seguro antes de investir. Gosto bastante de ações e pretendo ir  aumentando a participação em carteira.

- LCI ou LCA INDEXADA À INFLAÇÃO: A grande maioria das LCI's e LCA's são indexadas ao CDI, portanto essas naturalmente perdem a atratividade com a queda na Selic, porém há um tipo de LCI que é disponibilizada em algumas instituições que são indexadas ao IPCA e ao IGPM, estas costumam pagar taxas em torno de 6% + inflação, considerando uma inflação de 6%, teriamos um retorno líquido de IR em torno de 12% a.a, o que é um retorno interessante.



- FIIS de PAPEL: Alguns FIIs de CRI (os chamados fiis de papel) possuem inúmeros papéis com vencimento longo e taxas atrativas, chegando até 12% + Inflação. Em geral a carteira dos fundos de CRIs são compostas em sua maioria por ativos indexados a inflação com bons prêmios, podendo ser uma boa pedida. Eu gosto bastante destes fundos e tenho comprado bastante, acredito que estarei bastante protegido neste cenário de baixos juros.

- FIIS DE TIJOLO: Os FIIS de tijolo embora tenham em geral yields bem reduzidos, no longo prazo seus rendimentos reajustam pela inflação (principalmente os BTS, os corporativos sofrem mais), além dos imóveis em tese irem valorizando, portanto um investimento em um bom FII de tijolo pode ser uma boa forma de se proteger da queda dos juros e ter uma boa taxa de retorno no longo prazo, em especial com a melhora da economia.

Imóveis corporativos dos FIIs podem ser uma boa pedida com Selic baixa


- CRIs E CRAs: Há com certa frequencia a emissão de CRIS e CRAS indexados a inflação, as taxas costumam ultimamente vir em torno de 6,50 a 7,50% + Inflação. Estes ativos podem ser uma boa forma de remunerar bem a carteira.

- DEBÊNTURES INCENTIVADAS: Muitas debêntures incentivadas são indexadas a inflação, com bons prêmios. Neste cenário de juros baixos pode ser uma boa ter parte da carteira em debêntures. Mas lembre-se de estudar bem a empresa emissora, conhecer seu risco e seus balanços. Normalmente quanto maior a taxa, maiores os riscos. Procure debêntures de emissores de alta qualidade.

- FIP (Fundos de Investimentos em Participações): Há alguns FIP's listados em bolsa, em especial o XPOM11 que tem uma caracteristica muito interessante, tendo uma rentabilidade mínima garantida de IPCA + 7,50%, líquido de IR. Este ativo costuma pagar ótimos dividendos semestralmente e tem contratos longos, podendo ser uma boa pedida. Eu gosto bastante de XPOM e pretendo aumentá-lo em posição na carteira.

Usina eólica Gargaú do FIP XP Omêga


- NTN-B: A NTN-B se comprada com uma taxa mais alta pode sofrer grandes valorizações num cenário de juros menores, já que a taxa da mesma tende a diminuir com a queda da Selic e dos juros futuros.


E quais investimentos devemos evitar?

Em geral, em um cenário de queda na Selic é conveniente evitar alguns investimentos como CDB's com baixas taxas do CDI (menos de 100% é um desastre, 80 nem se fala), LCI's com menos de 95% do CDI (Até 100% considero pouco), LFT, Tesouro Pré-fixado com taxas baixas, FIIs de papel que tenham muita indexação ao CDI, RDB com taxas pequenas, LC com taxas pequenas (Menos de 125% eu nem olho) e por aí vai....

Importante é ter noção que não é porquê a Selic cai que nossos investimentos serão prejudicados, sempre teremos boas opções de investimentos disponíveis e devemos apenas ir ajustando as velas.

Abraços!

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Receber 1,15% de um fundo de papel ou 0,65% de um FII de tijolo?

O que será que vale mais a pena, receber 1,15% ao mês de um fundo de CRI, ou 0,65% ao mês de um fundo de tijolo? Afinal, o que entregará um maior retorno e uma maior renda passiva no longo prazo?




Bom, antes de respondermos isso precisamos saber de que tipo de FII de tijolo estamos falando. Estamos falando de um FII de lajes comerciais, estilo KNRI e FFCI? Ou de um FII Built to Suit estilo FCFL11B? Se compararmos com o primeiro tipo, o de lajes corporativas, há muitas ressalvas envolvidas, como vacância, revisionais negativas, inadimplência, anos e anos sem reajustes da renda pela inflação, e etc...

Já se olharmos pra um BTS estilo FCFL a coisa fica mais clara já que ele reajusta seus contratos anualmente pelo IGPM e tem um contrato 'garantido' até 2037. Mas afinal, o que vale mais a pena? Bom, isso é uma questão um tanto quanto particular e depende de algumas variáveis, como prazo de investimento, objetivo e perfil.

Mas afinal, o que rende mais, 0,65% de tijolo BTS ou 1,15% de papel?

É evidente que no curto prazo o que vai te pagar mais dinheiro em conta e gerar um ganho maior em termos de rendimentos é o FII de papel, já que ele vai te pagar 1,15% a.m, enquanto o outro paga 'míseros' 0,65%. Porém há de se levar em conta que o FII de papel paga a correção monetária em rendimentos, e portanto, se você resolver sacar e utilizar toda a renda, seu patrimônio e renda será corroído ao longo do tempo. Já o FII de tijolo como o imóvel em tese está protegido pela inflação, e seus rendimentos são reajustados, é um 'rendimento real', e portanto, já livre de inflação.

Portanto, se considerarmos um cenário de inflação de 0,50% ao mês, ao descontarmos esses 0,50% dos 1,15% teremos os mesmos 0,65%, e portanto o ganho real é o mesmo. Porém como o tijolo bts reajusta sua renda, esses 0,65% de hoje se torna 0,69% no outro ano, e no ano seguinte 0,74, e assim ele vai crescendo, ao contrário do FII de papel que não reajusta seu ganho.


Mas pra chegar a uma conclusão resolvi fazer uma estimativa de quanto cada um de fato irá render em um prazo de 10 anos:



FII DE CRI - 1,15% a.m - APLICAÇÃO DE R$ 10.000,00

PATRIMÔNIO INICIAL: R$ 10.000,00.

PATRIMÔNIO 10 ANOS DEPOIS, COM REINVESTIMENTOS DE PROVENTOS:  R$ 36.300,00

RENDIMENTOS ANUAIS NO 10º ANO: R$ 5.009,40

RENTABILIDADE MENSAL OBTIDA: 1,08% a.m




FII DE TIJOLO BTS - 0,65% a.m - APLICAÇÃO DE R$ 10.000,00 - IGPM DE 6% a.a

PATRIMÔNIO INICIAL: R$ 10.000,00

PATRIMÔNO 10 ANOS DEPOIS, COM REINVESTIMENTO DE PROVENTOS: R$ 37.034,00.

RENDIMENTOS  ANUAIS NO 10º ANO: R$ 2.715,84

RENTABILIDADE MENSAL OBTDA: 1,10% a.m


PS: Ambas as simulações consideravam um reinvestimento único anualmente, e isso afetou negativamente a rentabilidade do período, já que o efeito dos juros compostos mensalmente é maior que anualmente.

Um detalhe importante é que no FII de tijolo eu considerei que a cotação do mesmo se reajusta pela inflação anualmente, ou seja, ela cresce 6% ao ano. Infelizmente nos primeiros 3 anos eu acabei fazendo os reinvestimentos sem os reajustes  na cotação, e portanto a rentabilidade final efetiva seria um pouco maior.





CONCLUSÃO


Para o período de 10 anos com reinvestimentos dos dividendos (sem sacar nada) vimos que a rentabilidade ficou praticamente igual nos dois casos, com uma leve vantagem para o FII de tijolo. Porém como o FII de tijolo reajusta seus rendimentos, conforme passam os anos a vantagem dele fica cada vez maior, e portanto, a TIR projetada para um período de 15-20 anos ou mais é muito maior no FII BTS. Para viver de renda e usufruir da renda HOJE, para quem deseja proteger o valor do patrimônio e da renda da inflação e se importa com herdeiros, a melhor opção parece ser o FII de tijolo Built to Suit.

Já no curto prazo, a rentabilidade do FII de papel é muito maior, diminuindo sua vantagem com o passar dos anos. 

 



Há de se fazer uma ressalva, porém, se for um FII Built to Suit com contrato que vence daqui 5 ou 6 anos por exemplo, é muito provável que no vencimento desse contrato o inquilino consiga renovar por valores muito menores, ou o inquilino simplesmente saia e deixe o imóvel vázio. Portanto, é bom sempre levar isso em consideração, o Built to Suit melhor é aquele que tem valores de alugueis não tão fora da realidade e que de preferência tenham os contratos mais longos possíveis. Ademais, de nada adianta você fazer uma projeção de rentabilidade em um FII de tijolo para daqui 10-15 anos, se ele em 7 anos terá grandes riscos de perder o inquilino ou renovar pela metade do preço, tirando assim boa parte da vantagem do investimento. 

 

Portanto, eu não considero que há um ativo melhor que o outro, isso depende do perfil. O que fica claro aqui é que para Built to Suit de 15 anos ou mais, a rentabilidade do FII de tijolo é muito superior. Para períodos menores que 7 anos, a rentabilidade do papel é superior. Para o investidor de longo prazo, pode ser uma boa mesclar as estratégias, mas com mais foco em fii bts de longo prazo, para obter uma rentabilidade maior.

 

Este material tem propósito meramente informativo. Não consiste em recomendação financeira ou estratégica para investimentos. Para saber mais sobre as opções de investimento e receber recomendações, procure uma instituição financeira com profissionais habilitados.




segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Empresa de crescimento x Empresa de Yield alto, qual a melhor?

Para quem deseja viver de renda, qual será a melhor opção, empresas com crescimento dos dividendos, porém com yield baixo ou empresas ou ativos com Yield alto, porém sem crescimento ou com baixo cresc.? Muitos falam imediatamente que as empresas ou ativos com alto Yield são os melhores, mas será que é verdade? Resolvi então fazer uma simulação em um período de 10 anos, para analisar essa questão.

Vamos considerar que um investidor tenha R$ 10.000,00 para investir, a simulação vai levar em conta 2 cenários, o primeiro investindo em um ativo de alto Yield, mas que tem um crescimento bruto de rendimento de apenas 5% a.a. O outro cenário considerará os mesmos R$10K aplicados em um ativo que cresce seus rendimentos em 15% a.a. Qual será a melhor opção para quem quer viver de renda? Será que o ativo que tem crescimento de renda vence? Aqui devemos lembrar um ponto importantíssimo, no Brasil é difícil vermos exemplos de empresas que crescem seus proventos de forma linear todos os anos, em geral é difícil achar uma que na média cresça sempre nessa faixa de retorno, portanto é apenas uma simulação, e não uma sugestão de compra ou sugestão de investimento, nos Estados Unidos há maior segurança e previsibilidade em relação a isso. Ao comprar uma empresa que vem crescendo, você corre um risco considerável desse crescimento não se concretizar...



ATIVO 1 - DY 10% - CRESCIMENTO DE 5% a.a

COTAÇÃO BASE R$ 100,00. VALOR INVESTIDO: R$ 10.000,00

ANO 1 - R$ 10,00/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 2 -  R$ 10,50/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 3 - R$ 11,02/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 4 - R$ 11,57/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 5 - R$ 12,15/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 6 - R$ 12,76/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 7 - R$ 13,40/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 8 - R$ 14,07/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 9 - R$ 14,77/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 10 - R$ 15,51/AÇÃO EM DIVIDENDOS

RENDA PASSIVA ANUAL NO ANO 1: R$ 1.000,00 (YIELD 10%)

RENDA PASSIVA ANUAL NO ANO 10: R$ 1.551,00 (YIELD 15,51% SOBRE AQUISIÇÃO)





ATIVO 2 - DY 3% - CRESCIMENTO DE 15% a.a

COTAÇÃO BASE DE R$ 100,00. VALOR INVESTIDO: R$ 10.000,00

ANO 1 - R$ 3,00/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 2 - R$ 3,45/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 3 - R$ 3,96/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 4 - R$ 4,56/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 5 - R$ 5,24/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 6 - R$ 6,03/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 7 - R$ 6,93/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 8 - R$ 7,98/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 9 - R$ 9,17/AÇÃO EM DIVIDENDOS

ANO 10 - R$ 10,55/AÇÃO EM DIVIDENDOS

RENDA PASSIVA ANUAL NO ANO 1: R$ 300,00 (YIELD 3%)

RENDA PASSIVA ANUAL NO ANO 10: R$ 1.055,00 (YIELD 10,55% SOBRE AQUISIÇÃO)


COMENTÁRIOS E CONCLUSÕES


Como podemos notar, o ATIVO 1, de Yield alto, gera uma renda muito maior em todo o período de comparação, iniciando com 10% a.a e finalizando o 10º ano com 15,51% a.a sobre o preço de aquisição. O ativo que cresce as distribuições em 15% a.a óbviamente apresentou um crescimento muito maior, porém mesmo depois de 10 anos, o Yield sobre o preço de aquisição foi de 10,55%, ou seja, quase o mesmo que o ATIVO 1 em seu primeiro ano.

Portanto, podemos concluir que para quem quer viver de renda HOJE ou em POUCO TEMPO, um ativo com DY maior é a melhor opção, mesmo que tenha baixo ou nulo crescimento.


MAS E QUEM DESEJA VIVER DE RENDA APENAS DAQUI A 20-30 ANOS?

Nesse caso eu não fiz simulação, mas neste caso o ATIVO 2 teria uma ampla vantagem, já que seu rendimento cresce a ritmo bem mais acelerado e estimo que a partir do 14º ano ele já ultrapassaria os dividendos do ATIVO 1, sendo que em 20 a 30 anos o rendimento seria absurdamente maior. Portanto, para quem deseja sacar sua renda de dividendos apenas daqui a muitos e muitos anos, a melhor opção é o ATIVO 2, o ativo de alto crescimento, embora com DY baixo hoje. 


ENTÃO SE EU QUERO VIVER DE RENDA NO FUTURO, COMPRO TUDO DE EMPRESAS EM CRESCIMENTO?

Eu não posso recomendar nada pois não é o objetivo do blog e nem tenho certificação para tal, mas na minha opinião, isso não seria uma boa idéia, já que há inúmeras ressalvas. Por exemplo, o ativo da simulação de alto crescimento é um ativo hipotético, e embora tenhamos (algumas poucas) empresas que apresentam nos últimos 10-20 anos essa taxa de crescimento ou até crescimento superiores, nada garante que essa empresa continuará apresentando os mesmos crescimentos, podendo inclusive ter queda nos lucros e nos dividendos. Nada garante também que a empresa com DY alto continue com um alto payout, por isso é bom entender bem onde se está investindo e o negócio da empresa, previsibilidade do caixa, expectativa e ramo de atuação. 

De qualquer forma, eu particularmente prefiro ter os dois tipos de ativos em carteira, ativos que me pagam HOJE um alto dividendo (esses ainda são meus preferidos, admito), e ativos que hoje não tem um DY alto, mas que eu ACREDITO E TENHO EXPECTATIVA que continuará crescendo seus lucros e proventos no longo prazo. Porém, como já disse, nada garante que essas empresas terão seus rendimentos crescentes no longo prazo e portanto há de se levar isso em conta.



(ESSE TEXTO NÃO CONFIGURA RECOMENDAÇÃO DE COMPRA OU SUGESTÃO DE INVESTIMENTO, SENDO APENAS A OPINIÃO DO AUTOR E COM CARÁTER MERAMENTE INFORMATIVO)









sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Qual a renda passiva que preciso para atingir a IF?

Ultimamente me peguei pensando sobre essa questão, afinal, quanto eu preciso pra atingir o primeiro estágio de Independência financeira? Esse primeiro estágio que me refiro é o valor que é necessário que meus investimentos gerem (renda passiva) mensalmente para bancar TODAS MINHAS DESPESAS no padrão de vida atual, ou num padrão de vida comum morando sozinho.

Como hoje ainda moro com meus pais e tenho pouquíssimas despesas, hoje posso dizer que eu já estaria na independência financeira. Mas como posso estar na independência financeira se ainda moro com os pais? Ou seja, eu dependo deles para pagar a maior parte das contas, das despesas em geral e etc...Portanto, pensando nisso calculei e estabeleci um valor aproximado do quanto seria necessário para atingir a primeira fase da IF. Essa fase não me permitiria ter luxo e nem é minha idéia parar de trabalhar e aportar quando atingí-la, mas ao atingir essa fase, caso eu perca minha fonte de renda ativa ou simplesmente não aguente mais trabalhar, posso dar-me o luxo de parar ou trabalhar aonde quiser e como entender, já que trabalhando ou não, minhas contas estariam pagas, mas é claro, é um modo de vida simples. Você pode adaptar este primeiro nível de IF considerando um padrão de vida maior, aí vai ao seu gosto.


Quem não deseja ir a praia e ter todas despesas pagas pelos seus dividendos?


Então considerando que eu more sozinho, SEM FILHOS (Não tenho planos de ter) , em um apartamento pequeno mas que supra minhas necessidades e etc, cheguei nestes valores aproximados:

- Apartamento comum, em um bairro classe média, 1 dormitório que tenha garagem ou box: R$ 780 com o condômínio incluso.

- Luz: R$ 100,00

- Internet e telefone: R$ 100,00 (Meu plano é GVT/Vivo)

- Transporte/gasolina: Tendo carro, em torno de R$ 150,00 de gasolina por mês.

- Alimentação: Cerca de R$ 320,00

- Manutenção e despesas com carro: R$ 100,00 (Aqui eu excluo seguro, pois carro mais antigo não tem seguro, por isso colocarei trancas e etc)

- Crédito de celular: R$ 20,00

-  Farmácia, remédios, etc: Aprox. R$ 100,00

- Plano de saúde: SUS


TOTAL: R$ 1.670,00/Mês


Como eu disse, morando com os pais eu já estou na IF, mas por conservadorismo e pra considerar uma independência plena, ou seja, morar sozinho e se virar sozinho, considero IF apenas em torno de R$ 1.670,00. Como podem ver, o aluguel e condôminio são os que mais pesam neste hipotético orçamento, é bem pesado, os demais gastos são mais tranquilos. Detalhe que coloquei um apartamento simples, em um condômínio simples, nada de luxos. Carro se quiser ter um modelo mais novo, o seguro já jogaria mais uns R$ 200,00 nessas despesas, mas como é o primeiro estágio de IF, preferi considerar um estilo de vida bem mais simples.

Portanto:

- NECESSÁRIO PARA 1º NÍVEL DE IF: R$ 1.670,00/mês ou R$ 20.040/ano

- RENDA PASSIVA MÉDIA ATUAL:  R$ 809,99 (Aqui deve aumentar, já que essa renda só considera os rendimentos recebidos até o dia 16 deste mês e dividido por 12)

- META DE RENDA NECESSÁRIA ATINGIDA: 48,50%

E vamos regando essa árvore pra ela bancar todas nossas despesas.



Dessa forma, atingi 48,50% do necessário para o primeiro estágio de IF. Vou atualizar essas projeções no final do ano, quando eu já ter um número definitivo total de minha renda passiva. Espero passar forte desses 50%, será que conseguirei? Vamos ver. Como vemos, a independência financeira não é nada impossível, não é fácil, mas tendo disciplina e persistência, qualquer um pode atingí-la. Claro que se uma vida simples não é o suficiente pra você, ou você tem filhos e etc esse valor deverá se elevar consideravelmente, mas você pode ir ajustando.

E depois de atingir, para de trabalhar? Não! Depois de atingir este nível de IF a idéia é continuar trabalhando, mas será possível diminuir carga horária, ou passar a trabalhar apenas onde você gosta, mas de preferência não sacar os dividendos e continuar aportando, para partir para o estágio final de independência financeira, a independência financeira onde será possível ter um padrão de vida mais elevado. Ao parar de trabalhar no primeiro estágio de IF, você terá uma vida bem simples (a não ser que você more numa cidadezinha, onde se consegue aluguéis mais baratos e custo de vida mais baixo) e esse será seu padrão de vida 'ad eternum'. Para quem é simples, pode ser uma boa. Para quem tem mais ambição, ainda é cedo demais pra parar, até porquê, convenhamos, ficar o dia todo dentro de casa pode ser bastante enjoativo...

De qualquer forma, deve ser bem legal a sensação de saber que se você quiser parar de trabalhar, ou perder seu emprego e sua fonte de renda, você não precisará depender de ninguém e nem precisará pedir esmola no sinal, você é independente e suas despesas são pagas com seus ativos, isso por si só é fantástico.

Então pra resumir, o que minha renda passiva pagaria HOJE?

- TELEFONE + INTERNET = R$ 100,00

 - CONTA DE LUZ = R$ 100,00

- ALIMENTAÇÃO = R$ 320,00

- GASOLINA = R$ 150,00

- REMÉDIOS = R$ 100,00

- MANUTENÇÃO DE CARRO = R$ 100 X

- ALUGUEL DE APARTAMENTO + COND. = R$ 780,00  X


Preciso portanto de mais R$ 60,00/mês em renda passiva para ser capaz de arcar com manutenção do veículo e fazer mais um na lista. Depois a última meta, e a mais difícil, é atingir o suficiente para pagar também um aluguel de um imóvel com condômínio (Dependendo eu poderia comprar um e financiar em vez de alugar, mas isso eu ainda tenho que estudar).

Bom, por hora era isto, e vamos rumo a IF marcando em tudo! Abraços!











Resumo da semana e dividendos anunciados

A semana foi curta, mas ainda assim trouxe algumas novidades positivas para o investidor que tem como foco uma carteira previdênciaria. Trago aqui alguns anuncios de dividendos que empresas ou FIIs fizeram durante a semana.


Dividendo "GORDO" do XP OMEGA

Como já fora explicíto em outro post, o XP Omega FIP (XPOM11) anunciou na quarta-feira um rendimento que surpreendeu a todos, em R$ 7,75/cota, eu estava esperando algo em torno de R$ 6,00, porém explicaram que esse rendimento considerava redução de capital que estava pra acontecer em Gargaú mas que precisavam de aprovações formais do BNDES. Não entendi como anunciaram um provento sendo que o mesmo não está totalmente garantido (?), estranho.

De qualquer forma, o processo está bem adiantado e não devemos ter problemas com essa redução de capital, mas é sempre bom ficar de olho. Não sei como fariam caso o BNDES não autorizasse a redução, já que a cota já ficou 'ex dividendos'.


Parque eólico Gargaú, que pertence ao XPOM11


Agora o FIP XP Omega só anuncia algum dividendo em Maio, portanto podemos ter janelas de oportunidade na compra.



Fato relevante no FIIB11




A Coinvalores na condição de administradora do FII INDUSTRIAL DO BRASIL (FIIB11) anunciou que fechou um acordo para o pagamento da dívida do inquilino Wetzel S.A na qual o valor devido na faixa de 13M será parcelado em 5 anos. O pagamento irá se iniciar 30 dias após a homologação da RJ (Recuperação judicial). Portanto, este acordo nao trará impacto imediato nos rendimentos do fundo, devemos aguardar a recuperação judicial.



TBOF e o rendimento baixinho

O fundo TBOF11 anunciou hoje seu rendimento mensal, que será de R$ 0,23/cota. Pelo valor da cota atual, o rendimento representa um retorno de aproximadamente 0,37% a.m



TAESA anuncia dividendos, Jcp e o Barsi comprando Taesa



Torres de transmissão da TAESA, bela paisagem.



A Taesa anunciou hoje após o fechamento do mercado proventos aos acionistas. O valor por unit (TAEE11) será de:

- Dividendos intercalares de  R$ 0,1211694621

- Juros sobre capital próprio de R$ 0,4268558178

O pagamento ocorrerá no dia 5 de Dezembro e terá como base a posição acionaria do dia 23 de Novembro.

Gostei bastante desse anuncio já que tenho ações da Taesa em carteira. Isso deverá potencializar meus rendimentos do mês de Dezembro e ajudar no resultado final do ano.

Interessante notar também que o Barsi anunciou hoje no site Suno Research (Site que pública opiniões do Barsi semanalmente) que está comprando Taesa. Como justificativa deu o fato dela estar pagando bons dividendos históricamente, payout alto e ter subido pouco em relação a outras ações no ano. Acredito que Taesa deva continuar pagando bons dividendos, visto que é uma empresa de forte geração de caixa e capex baixo. Ficar de olho no entanto em 2018 para ver como a empresa se portará frente a redução forte na RAP. Como o lucro líquido IFRS é linearizado, o impacto no lucro será nulo, porém o caixa será impactado, mas acredito que não prejudique a capacidade de pagar dividendos altos. Vamos acompanhando...




FCFL (Campus Faria Lima) anuncia rendimentos

O fundo FCFL11B que é detentor do Campus Faria Lima, alugado para Insper em um contrato Built to Suit até 2037 anunciou hoje seus rendimentos mensais. O rendimento será de R$ 10,477197305 por cota e será pago no dia 25/11/2016. No valor atual de R$ 1700 este rendimento equivale a um retorno de 0,61% a.m.

Lembrar aqui que o fundo atualmente faz reserva de contingência mensalmente o que impacta a distribuição negativamente. Acredito que no inicio de 2017 o fundo pare de fazer a reserva e passe a distribuir os resultados. Somado a isso teremos os reajustes agora de Novembro e Dezembro e portanto a renda dele deve ser elevada para perto de R$ 12,00 nos primeiros meses de 2017.

 
  Obrigado pela leitura e bons investimentos.





quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Renda parcial acumulada em Novembro + Anuncio de BOLADA do XPOM11

Olá amigos, hoje vou atualizar a minha renda parcial acumulada no mês de Novembro, pois os fiis pagaram tudo o que tinham de pagar este mês, então já dá pra ter uma noção da minha renda de Novembro.

Aos poucos vou regando e a minha árvore do dinheiro vai crescendo e dando frutos...


A renda parcial acumulada no mês de Novembro é de R$ 983,12, essa cifra representa por si só uma evolução de quase 34% sobre toda a renda recebida em Novembro de 2015. Lembrando que o Banco do Brasil anunciou um JCP de cerca de R$ 0,10 a ser pago no final do mês, e hoje também o XPOM11 anunciou um dividendo bem interessante.

Com essa renda acumulada em Novembro, a renda acumulada no ano atingiu R$ 9.719,99, o que já é uma renda cerca de 18,8% maior que toda a renda de 2015. Portanto o total de rendimentos passivos recebidos em 2016 já supera com folga todo o valor de 2015 e deve fechar o ano com uma folga ainda maior. Se o ano terminasse hoje, essa renda representaria uma média de R$ 809,99 mensais. A renda média mensal de 2015 foi de R$ 681,74. Mesmo que o ano acabasse hoje, eu já teria um aumento bem maior que o aumento do salário mínimo. :)

Hoje também o FIP XP OMEGA anunciou um dividendo bem acima do que eu esperava, de R$ 7,75/cota. Eu esperava algo em torno de R$ 6,00. Eles esclarecem no comunicado que este valor é por conta de uma redução de capital de R$ 12M em Gargaú, o que possibilitará esse valor tão elevado. Eles deixam claro, porém, que para ocorrer este pagamento será necessário a autorização formal do BNDES, o que já está bem adiantado.

Parque Eólico Gargaú pertecentente ao XP Omega


No valor atual (as cotas estão subindo no momento) este valor representa um retorno de 7,25%. Se o fundo distribuir em Maio do ano que vem algo em torno de R$ 6,50, já terá um DY anualizado de 13,33%, valor já líquido de IR, por se tratar de um FIP IE que é isento de IR.

Com este anuncio do XPOM11, receberei no final do mês R$ 395,25. Somando a isso o valor que receberei do Banco do Brasil, de R$ 64,43 (Líquido), então terei ainda mais R$ 459,68 este mês, e portanto, irá me gerar um resultado total de proventos em Novembro de R$ 1.442,80, sendo portanto o melhor mês da história de meus dividendos. Acredito que não haverá mais nenhum dividendo ou rendimento até o final do mês, mas atualizarei o post no final do mês com a renda de fato no caixa, para confirmar se será este valor ou se teve mais alguma coisa, mas a princípio deve fechar o mês nesta cifra mesmo.

Mais animador ainda é saber que o ano não acabou e ainda temos Dezembro, o que deve impactar mais positivamente ainda meus proventos. Vamos aguardar.

Abraços!!


10 mil visitas! Muito obrigado! :)

Olá amigos. Hoje o blog bateu a marca de 10 mil visualizações, uma marca importante ao meu ver. Para muitos é muito pouco, já que vários outros blogs da "finansfera" batem essa marca em tempo bem menor, aqui foi necessário 5 meses de blog pra atingir essa marca.




Infelizmente eu acabei ficando alguns meses sem postar muito, postando algo em torno de 2 postagens mensais, o que acabou diminuindo drasticamente o fluxo de visitas do blog, este mês o fluxo foi recuperado fortemente, sendo que só neste mês o blog recebeu mais de 4500 visitas.

O foco aqui nunca foi quantidade, mas sim qualidade, por isso por vezes o blog fica sem postagens durante dias.

De qualquer forma, eu agradeço todos os leitores e visitantes pelos acessos, são os acessos que me animam a continuar e a melhorar cada vez mais o conteúdo do blog, adicionando conteúdo de qualidade, analises informativas, resumos, novidades e é claro, as atualizações da renda passiva, agora contando com um ranking mensal.

Mesmo com o fluxo de visitas aumentando, não pretendo "profissionalizar" o blog e nem forçar postagens mais frequentes pra aumentar o número de visitas (e consequente rendimentos), pretendo continuar como está, sendo um blog amador, computando minha renda passiva, divulgando os rankings, algumas informações sobre ativos e em busca da tão sonhada independência financeira. Acredito que as coisas ocorrem naturalmente e não há necessidade de "forçar a barra" pra tentar monetizar melhor o blog ou ganhar dinheiro, o foco aqui não é esse, se acabar ganhando alguns trocados com Adsense, será bom, mas isso não é o foco e isso deve ocorrer naturalmente.

Bom, novamente deixo meu muito obrigado pelas visitas e a quem deposita um pouquinho de seu precioso tempo para ler o conteúdo aqui do blog. E vamos que vamos, rumo a IF e as 100.000 visitas!

Abraços!!




segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Resumo de FIIs Mensal: BCRI11, VRTA11 e FEXC11B

Olá amigos, hoje vou fazer um breve resumo dos relatórios do Banestes Recebiveis Imobiliarios e do Fator Veritá, dois fundos de CRI que divulgaram seus relatórios ao mercado hoje.

BCRI11 (Banestes Recebiveis)





Na data de hoje o fundo distribuiu em conta R$ 1,17 por cota para os cotistas de BCRI11 e R$ 0,72 por cota liquidada na oferta pública.

O valor patrimônial por cota do fundo fechou Outubro a R$ 96,37. Portanto, o valor atual de mercado está cerca de 12% acima do VP.

O gestor informou ter adquirido em Outubro 6 ativos:

- Mais R$ 1,15M do CRI Nova Colorado 2 a uma taxa de IPCA + 10,20% aa

- Mais R$ 2,54M do CRI Mega Moda a uma taxa de 9,32% + IPCA.

- R$2,98M numa operação clean corporativa da MRV com taxa de CDI + 2%

- R$ 570 mil em uma operação corporativa da Aliansce com alienação fiduciaria do Shopping Bangu no RJ. Taxa de 6,54% + IPCA

- R$ 1,1M de uma operação lastreada em um hospital da Rede D'or. (Aqui eu acho que o gestor se enganou, pois colocou que o imóvel fica em "Caxias do Sul/RJ", acredito que o correto seja Duque de Caxias...). A taxa é de 7,04% + IPCA.

- R$ 5M em LCI do Banco ABC a uma taxa de 95% do CDI.

 Podemos notar que a qualidade da carteira se mantém alta, com CRIs de alta qualidade como MRV, Mega Moda, Rede D'or, Aliansce. Porém também percebemos taxas um pouco menores que as operações adquiridas nos meses passados, fruto de juros futuros menores e perspectiva de queda na Selic.

O CRI Nova Colorado embora teoricamente tenha um risco maior por se tratar de loteamento, na prática tem uma carteira de recebiveis 30% maior que o necessário para cumprir os pagamentos do CRI. Portanto, há uma gordura relevante aqui.

O fundo fechou Outubro com 31,10% do patrimônio em caixa, aplicado em Tesouro com uma taxa pré fixada de 14,10%, tamanha exposição é explicada por conta da recente emissão. Conforme o fundo for diminuindo a posição de caixa e aumentando a posição em CRIs, a rentabilidade aumentará notavelmente. O gestor espera alocar todo o caixa em CRIs em até 4 meses...

Aguardo aqui uma melhora de distribuição nos próximos meses, embora a inflação que está reduzindo progressivamente deva impactar e anular parte dos retornos.

 Gosto bastante desse CRI e continuo comprando, vamos ver como serão as novas aquisições.. Acompanhando.


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------




VRTA11 (Fator Veritá)


O fundo distribuiu esse mês R$ 1,33/cota para os cotistas. Esse retorno na cotação atual está em torno de 1,05%. O valor patrimônial da cota fechou Outubro a R$ 103,12.

No mês de Outubro o Fundo realizou a venda de R$3M de CRI MRV a CDI + 0,15% e aumentou sua posição em outra operação de MRV no mesmo montante, pagando CDI + 2%.

O fundo fechou Outubro com cerca de 3,5% em compromissadas (RF).

Sobre a situação dos CRI Mgrupo, nada de novidade.

No mais, nenhuma novidade...

Acredito que a renda do VRTA11 deva sofrer uma pequena queda nos próximos meses, visto que o IGP-M está caindo de forma progressiva, e esse mês caminha para deflação.


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


FEXC11B (BTG Fundo de CRIs)

O fundo pagará aos seus cotistas esse mês R$ 0,82/cota, o que no valor atual representa algo em torno de 0,78%. Essa queda de rendimentos já era esperada no FEXC já que o mesmo é bastante indexado ao IGP-M e tem um método contábil diferente do Bcri e Vrta, reconhecendo a inflação imediatamente referente aos últimos 2 meses, e portanto, como estamos em um cenário de inflação em queda, a renda do FEXC11B é bastante afetada. As próximas distribuições dele devem continuar reduzidas, já que caminhamos para deflação do IGP-M este mês.

O valor patrimônial do fundo fechou Outubro em R$ 102,59 e portanto a atual cotação está apenas cerca de 3% acima. A cotação do fundo tem caído por conta de uma menor inflação, já precificando distribuições menores.


O gestor adquiriu dois novos CRIs, curiosamente, os mesmos CRIs investidos pelo BCRI11 no mês, o CRI Shopping Bangu (Aliansce) e o Rede D'or Duque de Caxias. As duas operações ficaram com taxas próximas a 7 + IPCA.



Mesmo com essas novas aquisições, ainda vejo o fundo tendo seus rendimentos reduzidos nos próximos meses, fruto de menor inflação, lembrando que o fundo está 62% indexado ao IGP-M e portanto, é mais sensível a este indicador do que os demais.

O fundo também tem uma posição mais arrojada e relevante no CRI da PDG, a uma taxa de CDI + 6. Embora este CRI tenha garantias robustas (Mais de R$ 100M em imóveis) a situação problemática da PDG pode fazer com que o fundo tenha de negociar esse CRI em seu vencimento e negociar, alongando a dívida, ou terá de simplesmente tomar os imóveis alienados fiduciariamente e vendê-los em leilão, processo que pode levar algum tempo para o fundo conseguir o dinheiro necessário para quitar a amortização. Há de se acompanhar a situação da PDG de perto, pois pode dar alguma dor de cabeça aos investidores no vencimento deste Cri.

Por hora é isso, espero que gostem. Abraços!



(ESSA POSTAGEM NÃO REPRESENTA RECOMENDAÇÃO DE COMPRA OU VENDA, TRATANDO-SE APENAS DE UM RESUMO E DA OPINIÃO DO AUTOR DO BLOG A RESPEITO DE UM OU MAIS ATIVOS. O BLOG NÃO FAZ CONSULTORIA DE INVESTIMENTOS E NEM É CERTIFICADO PARA TAL)